Logo
Friend CardCreated with Sketch. Cartão Amigo

A partir de 3€ mensais poderá subscrever o Cartão do Amigo da Animais de Rua e ajudar-nos a chegar a cada vez mais animais.

Saiba Mais
StoreCreated with Sketch.

Loja

Friend CardCreated with Sketch.

Cartão Amigo

Cartão Amigo

A partir de 3€ mensais poderá subscrever o Cartão do Amigo da Animais de Rua e ajudar-nos a chegar a cada vez mais animais.

Saiba Mais
Page 1Created with Sketch.

Doar

Doar

O seu donativo salva vidas!

Capturar-Esterilizar-Devolver

Em parceria com os Municípios e os cuidadores de colónias de gatos silvestres, implementamos um programa de esterilização em massa de âmbito nacional.

O que é o CED?

Capturar-Esterilizar-Devolver (CED) é um método humano e eficaz de controlo de colónias de gatos e de redução das populações felinas silvestres. O processo envolve a captura dos gatos de uma colónia, a sua esterilização, um pequeno corte na orelha esquerda para fins de identificação, desparasitação e, por fim, a devolução dos animais ao seu território de origem, onde são alimentados e protegidos por um cuidador. Sempre que possível, os animais adultos dóceis e as crias que ainda estejam em idade de socialização são retirados das colónias e encaminhados para adopção.


As vantagens do CED

Na Comunidade

  • Menos gatos silvestres e vadios em toda a comunidade;
  • Menos abates;
  • Menos queixas aos serviços municipais;
  • Maior cooperação dos cuidadores;
  • Mobilização de acções de voluntariado;
  • Redução de custos;
  • Relações Públicas vantajosas para os serviços municipais

Na Colónia

  • Não haverá mais ninhadas, e a população de gatos irá diminuir com o tempo;
  • Redução drástica do barulho;
  • O cheiro torna-se muito menos intenso;
  • Mantém-se o controlo de roedores;
  • Uma colónia mais saudável e menos visível;
  • Exclusão do factor pena/tristeza;
  • A presença de um cuidador;
  • Evita a criação de uma outra colónia, e não esterilizada

Alternativas falhadas ao CED

Uma das principais razões para se advogar a prática do CED é que nada mais resulta. Quer pretendamos a redução da população felina, quer a diminuição dos incómodos das pessoas, nenhuma outra técnica demonstrou, até agora, ter sucesso a longo prazo. Isto torna-se mais claro quando examinamos as alternativas praticadas.

Captura e Abate

A captura e abate tem sido a abordagem adoptada pelas entidades oficiais responsáveis pelo controlo da população animal em Portugal. Capturar gatos silvestres, transportá-los para um canil/gatil e abatê-los pode, a curto prazo, diminuir a população felina num dado local. Contudo, esta redução é apenas temporária, e a população acaba por voltar em força pouco tempo depois. Há várias razões para que isto aconteça: o efeito de vácuo, a reprodução excessiva, o abandono ou a falta de recursos dos serviços municipais.

Parar de Alimentar

À primeira vista, este método atrai pela sua simplicidade – não alimente os gatos e eles irão embora. Os gatos silvestres são extremamente territoriais e não se afastarão muito à procura de comida. Em vez de se afastar, os gatos tendem a aproximar-se, arriscando mais a aproximar-se das habitações humanas à medida que o seu desespero aumenta. Além disso, um gato pode passar semanas sem comer e, ainda assim, reproduzir-se.

Acolhimento ou realojamento

Recolocar os animais num local seguro ou num santuário é uma solução aplaudida por muitas pessoas quando se cruzam com uma colónia silvestre em apuros. No entanto, há muito poucos santuários animais, e os mesmos estão constantemente com falta de espaço e sobrelotados. Se vai deslocar a colónia, terá que encontrar um local adequado, bem como alguém disposto a comprometer-se a alimentá-los para sempre.

Não fazer nada

Se nada for feito, uma colónia atingirá o tamanho maior que lhe for naturalmente possível, que será o resultado da disponibilidade alimentar e de abrigo. Quando a capacidade desses recursos é excedida, o controlo da população surge na forma de doenças e fome.